Ângulo de visão
Por Paula Quintão

Não dá pra pegar o seu ângulo de visão e emprestar para outra pessoa. Não dá pra dizer em palavras o que você vê e achar que o outro vai ver igual. Não vai. O outro só consegue ver com os seus olhos se ele te pergunta: “o que você vê daí?”. Só se ele te pergunta. E aí os seus dizeres vão ser como um empréstimo dos seus olhos para o outro.

Acontece isso no processo de expansão de consciência. Você vai vendo o invisível. E fica nessa ansiedade de o outro também ver. Porque quando a gente passa a ver parece tão óbvio que até esquecemos que antes também a gente não via. Só que o outro está vendo do ângulo dele, e não está te pedindo olhos emprestados.

Melhor seguir avançando na nossa própria visão, expandindo nosso olhar e percepção, do que ficar na tentativa de fazer o outro ver. Isso é o salvacionismo que o ego tem necessidade de viver.

Há uns dias escrevi sobre dar feedback que não foram pedidos e sinto que é a mesma coisa: o outro não pediu seus olhos emprestados, então ficamos na nossa. E avançamos na ampliação do que estamos vendo.

É assim. Cada um do seu lugar, todos juntos colaborando para o todo.

Autor

Paula Quintão segue a desvendar os mundos internos e externos. É escritora & mentora de escritores, transição de vida e negócios digitais. Doutora em Sustentabilidade, montanhista, paraquedista e mergulhadora. Mãe da Clara. Criadora da Escola de Rumos, do Portal Coragem Para Empreender e da Editora Suban a Los Techos, autora do livro Para Sempre Um Novo EU (2012) e O Caminho Que As Estrelas Me Viram Cruzar (2017). Escreve semanalmente dentro das temáticas autoconhecimento, escrita, transformação de vida e empreendedorismo em paulaquintao.com.br