Dedico ao meu amigo Magno Souza, guardião das chaves para os caminhos da Montanha Encantada. 

Quero falar sobre o tempo distorcido.
Sobre a pressa.
Sobre andar rápido.
Sobre apressar os passo.
Sobre estar atrasado.
Sobre a data de vencimento.
Sobre os juros.

Hoje quero falar sobre o tempo distorcido. Esse que nos faz perder a fala, que nos faz dormir preocupados, que nos deixa ansiosos assim que abrimos os olhos pela manhã “estou atrasada?”.

Esse não é o tempo do divino. Imagina a árvore amanhecer e se perguntar “estou atrasada pra fazer a fotossíntese?”. Não é a minha natureza esse tempo do relógio. Esse tempo não é parte do meu sistema, é um tempo criado pelo homem que é totalmente alienígena à minha essência.
Um tempo que não consigo digerir. Um tempo que me aperta o peito. E que agora, vivendo em São Paulo, ficou ainda mais indigesto e impossível. O tempo das horas é como água que escorre entre os dedos.

Esse não é o meu tempo.

O meu tempo é o da noite que vira dia. E do dia que vira noite. Uma vez mais. E uma vez mais.
O tempo do plantio e das colheitas.
O tempo da mágica do germinar, da grandiosidade da gestação.
O tempo do encontro. O brilho nos olhos.
O tempo dos processos.
O infinito tempo da saudade.
O tempo do abraço.
O tempo das estações.
O tempo das criações e seus frutos.
O tempo do livre escrever do meu novo livro.
O tempo do agora que é atemporal.

O meu tempo não me apressa, não me cobra. O meu tempo não me cobra juros porque não existe atraso.

Não vou deixar para descobrir somente quando eu morrer que a grande ilusão da vida era medir o tempo pelas horas, pelas datas de vencimento, pelos dias de pagamento.

Em algum de sabedoria sei que a hora de ajustar o lugar dos ponteiros pra mim é agora. E que as horas me servem para o encontro com o outro poder ser combinado. E a partir de agora nada mais.

Sem o tempo dos relógios e das datas de vencimento, sigo o tempo que é meu, que é da minha natureza. E assim eu me assumo viva como tudo que é da natureza: noite e dia, dia e noite, germinar, criar, entregar, fluir, florescer.

Por amor a mim e a minha existência, eu libero o peso que o tempo distorcido impregnou no meu DNA e me conecto com a minha natureza divina das horas infinitas e dos tempos mágicos.

Paula Quintão
16.08.2018 kin 190

Autor

Paula Quintão segue a desvendar os mundos internos e externos. É escritora & mentora de escritores, transição de vida e negócios digitais. Doutora em Sustentabilidade, montanhista, paraquedista e mergulhadora. Mãe da Clara. Criadora da Escola de Rumos, do Portal Coragem Para Empreender e da Editora Suban a Los Techos, autora do livro Para Sempre Um Novo EU (2012) e O Caminho Que As Estrelas Me Viram Cruzar (2017). Escreve semanalmente dentro das temáticas autoconhecimento, escrita, transformação de vida e empreendedorismo em paulaquintao.com.br