Sei que a saudade, essa saudade que nos assola o ser, pode vir de vários modos. Pode vir silenciosa, de repente, no fim da tarde, e nos fazer parar por poucos segundos e suspirar a ausência sentida.  Pode vir devagarzinho, aumentando mais e mais, até se tornar tão intensa que você sente necessidade de arrancá-la como se arranca uma erva daninha do jardim. Pode vir sorrateira e transformar-se em saudade sólida, dessas que nos acompanham dia e noite, noite e dia, e nos fazem olhar para trás a todo instante. Pode vir em forma de angústia, das que apertam o coração, derrubam lágrimas e nos fazem desesperadamente querer repetir o que já passou e não é mais possível. Pode vir como um vento, uma brisa, que percorre todo nosso ser aconchegando-nos em boas lembranças do passado.

Aprecio a saudade, me entrego por completo e me rendo diante dela. Sou toda rendição porque saudade é a mais pura expressão de que o caminho valeu a pena, de que as pessoas que estavam ao nosso lado fizeram nossos dias melhores. Saudade é a mais plena manifestação de que apreciamos o que vivemos e quem nos acompanhou.  Saudade é sinal de que a vida trouxe passos que valeram a pena.

E só queremos tanto “matar a saudade” porque saudade dói.  Saudade deixa rastros em nós e nos cerca onde quer que estejamos. Saudade nos emociona, enche os olhos de lágrimas, aperta o coração e pode incomodar muito. “Matar a saudade…” Um vento pode matar a saudade. Um abraço, silencioso, no meio da madrugada, pode matar a saudade.  Uma viagem. Um reencontro. Uma fotografia. Uma música. Uma mensagem. Um telefonema. Um caminho refeito. Um lugar revisitado. Uma conversa sobre os lugares e as pessoas que nos deixam saudade… nosso coração fica leve, nossa alma fica abastecida, nosso ser fica completo de novo. E então descubro que não quero “matar a saudade”, quero que fique viva em mim para mais uma vez aconchegá-la e ter o prazer de senti-la de novo…e aconchegá-la mais uma vez.

Nesse momento, a saudade encontra-se alimentada, vira decoração em nossa alma, ganha colorido e é celebrada com cantos e festejos. Felicidade poder dizer “saudade de você” e alegria poder reviver pedacinhos de tudo o que nos faz sentir saudade. Nobre saudade, nobre saudade. Felicidade senti-la, felicidade poder aconchegá-la. Que saudade eu sinto…

 

Autor

Paula Quintão segue a desvendar os mundos internos e externos. É escritora & mentora de escritores, transição de vida e negócios digitais. Doutora em Sustentabilidade, montanhista, paraquedista e mergulhadora. Mãe da Clara. Criadora da Escola de Rumos, do Portal Coragem Para Empreender e da Editora Suban a Los Techos, autora do livro Para Sempre Um Novo EU (2012) e O Caminho Que As Estrelas Me Viram Cruzar (2017). Escreve semanalmente dentro das temáticas autoconhecimento, escrita, transformação de vida e empreendedorismo em paulaquintao.com.br

  • Saudades sem fim!

    Vento frio e quente que surge no ventre, sobe pela espinha e arrepia o corpo.

    • Ah, essas “saudades sem fim”! =) Silas, você é a prova viva de que saudade e amores podem vir de tantas formas… que voemos livres por esses maravilhosos céus azuis que nos cercam dos pés à cabeça, nos oferecendo um horizonte para sermos plenamente nós.

  • Eulene Pacheco

    Linda mensagem Paula. Suas palavras serviram de antídoto aos meus sentimentos de saudade. Parabens!!!!!

  • CESAR

    Paula, ler seus textos traz uma grande emoção. Ler seus textos nos remete a momentos muito importantes em nossas vidas, nos faz confortado com tudo o que fizemos, com a importância que demos à nossa profissão, aos nossos estudos, aos passeios que fizemos. Ler seus textos, em especial este, “Saudade… caminhe em mim.” nos leva para momentos tristes como as perdas de entes queridos, mas que vistos por um olhar especial transforma em uma felicidade, pois tivemos a oportunidade de poder conviver com eles de uma forma especial e dar e receber amor, carinho, trocar sorrisos e boas gargalhadas. Nos remete também à base de nossa criação, criação que voa alicerçada na liberdade de criar, de voar…, por isso a saudade bate mais forte. Um grande beijo no seu coração e muitaaaaaaaaaa……SAUDADEEEEEEEEEEEEEEEEE!!!!!!!!!!
    Seu pai.

    • Pai do meu coração, que lindo você por aqui mandando um comentário todo carinhoso e inspirado. A saudade bate forte em mim também, mas quando paro e lembro de tudo o que somos, vivemos e ainda temos a viver, fico feliz por ter sido brindada com tanta coisa boa. Logo chega o momento de ganhar um grande abraço do super pai que me aguarda no aeroporto!

      • Rico Oliveira

        Emocionante!!!!!❤️❤️❤️❤️❤️❤️

  • Bruninha

    Saudade do nosso divã de madrugada!! Como eu precisava disso essa semana! =)
    Beijinhos irmã.

    • Divã virtual não serve, né? =) Também estou com saudades do divã! Ele que nos aguarde, vamos virar a noite! Beijos, irmã que amo tanto!

  • Magno

    ah Paulinha…
    fiquei sem saber o que te dizer, depois de tanto carinho postado aqui.
    A mensagem do seu paizinho e da sua mana me encheram o coração de amor…
    Você realmente é uma pessoa muuuuuito especial.
    Agradeço a Deus pela oportunidade de te conhecer.
    Bjo no coração.

  • Lena Matos

    Nossa Paula…

    Maravilhosa essa mensagem. Os seus textos me traz muita emoção. Parabéns, bjsss

    • Doce Lena, querido Magno, voltei de sua bela Boa Vista carregada de muito amor recebido de vocês dois e de todos e tudo que revi. Foi uma experiência muito boa. Essas palavras que formam esse texto vieram envolvidas por essa energia que eu trouxe da companhia de vocês. Obrigada por todo o carinho, toda a atenção. Não sei como descrever o quanto me faz bem.

  • Cesar Pinheiro

    Não conheço a Lena Matos, mas vou ter a ousadia de plagiar sua mensagem

    Nossa Paula…

    Maravilhosa essa mensagem. Os seus textos me traz muita emoção. Parabéns, bjsss

    Penso que a saudade é isso tudo e muito mais, voce descreveu com muita propriedade o sentimento. Atrevo-me a dizer, que a saudade é como uma sombra de nós mesmos a luz de velas refletida na parede, e que com ela começamos a brincar, fazer pássaros voando, jacaré, coelho, bico de pato, orelha de gato,borboleta, lobo, etc… de repente, alguém chega e acende uma luz muito maior e esta sombra fica apenas na lembrança do que alegremente nos divertimos e voltamos a vida real onde todos os bichos imitados com graça e alegria agora tem cor e forma, esta é a nossa realidade, pois saudade é tão bom sentir, que fabricamos a todo momento novas formas de viver tentando levar na bagagem a saudade do que já vivemos e os locais por onde passamos… Digo sempre que a vida dá para cada um de nós uma cor e a junção de todos nós é quem faz o colorido da vida. Parabéns Paula!!!

    • César, a vida em cores é mesmo um presente. Uma vida muito colorida para nós sempre.

  • Que bonito texto sobre o sentimento da saudade!
    Você vê como são as pessoas: você expressa a emoção e eu fico pesquisando, traduzindo e comentando as estórias e os mitos. Cada um na sua, mostra o que sente o com o que se importa, cada qual do seu jeito.
    Eu gosto da diversidade.
    Beijão.

    • Luiz, vocês me inspiram saudades até hoje… queria tê-los mais próximos, falando mais e mais. Para que meus leitores sejam brindados por uma ótima dose de Makunaima, eis aqui o endereço do seu blog: http://www.camerataallegro.com.br/blogdoluiz/
      Acabei de perceber que os mitos estão lá me esperando! Grande abraço.

  • Leitura deliciosa, que desperta gostinho bom. Parabéns Paula pela sensibilidade e por essa necessidade de transformar. Beijos e saudades.

    • Seja sempre bem-vinda, Natália. Tê-la por aqui é uma honra. =))

  • Rico Oliveira

    Impossível não ler este texto sem SUSPIRAR…de saudade…lindamente despertada pelas leves e doces palavras de PaulaQuintão❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️