Uma conversa sobre marketing digital, Por Paula Quintão
“Para acolher, é preciso olhar”. Prem Baba.

Poderia falar longas horas sobre o marketing digital tal como é feito por muitos empreendedores hoje, é um assunto que nos meus grupos mais internos, como o Clube dos Impulsionadores, eu trato muito abertamente.

Nas redes sociais e nos posts públicos não é algo que diretamente venho falando. Mas cada vez mais sinto uma urgência dentro de mim em trazer à tônica isso.

Preciso tratar sobre o quanto vejo incoerência e inconsciência na forma como é feito grande parte do marketing digital. Principalmente de grupos que trabalham com autoconhecimento (me debruçarei mais sobre esse aspecto específico depois…)

Há cerca de um ano e meio fiz uma transição no meu negócio para uma comunicação que me representasse 100%. Algo que meu coração dizia “sim”, algo que também minha razão dizia “sim”.

 

Sem gatilhos. Sem escassez. Sem fórmulas. Sem ter que ser assim porque se não for vai dar errado. Sem ter que trazer pessoas usando qualquer nível de inconsciência na tomada de decisão.

E eu rompi. Rompi com o modo de fazer. Rompi com pessoas que só concordavam comigo se eu entregasse minha mensagem de um modo padronizado. “Padrões! eu rompo com vocês”, era o que minha alma anunciava. E até mais importante que isso: “Inconsciência, eu rompo com você”.

Precisei trabalhar profundamente minhas crenças sobre como divulgar meu trabalho.

Precisei trabalhar meu autoconhecimento (não há como desvincular empreendedorismo de autoconhecimento, é um fato consumado na minha vida).

Precisei trabalhar minha observação ativa de cada uma das minhas comunicações e hoje, com um coração muito acolhido e fortalecido, posso dizer que encontrei outros caminhos e que eles valem muito a pena.

Há mais ou menos dois anos tenho olhado e refletido para os modos de comunicar minha mensagem pela internet. Por muito tempo acreditei que somente um modelo de comunicação baseado em gatilhos mentais e fórmulas prontas fosse possível para alcançar pessoas que se interessassem pela minha entrega. Parecia não haver outra alternativa. E por muito tempo tive medo de tentar outras formas de comunicação, porque minha sensação era que só um modelo “daria certo” e “funcionaria”.

Para a minha alegria e feliz constatação, depois de muita experimentação, depois de muita reflexão, depois de muito olhar, adaptar, testar, romper com padrões… descobri: havia luz no fim do túnel. =))

Pude perceber que há vida além das fórmulas e gatilhos, e que sim, é possível fazer uma comunicação mais afinada com a nossa própria alma e nossa voz, mais sintonizada com a energia da abundância e da autoconfiança, sem ferramentas que apressem meu público em seus processos de tomada de decisão de compra e mesmo na escolha que fazem por acompanhar ou não meu trabalho.

Uma comunicação com mais alma (e menos instrumentos inconscientes) é possível.
Uma comunicação mais sintonizada com a minha voz é possível.
Uma comunicação que deixa tudo o mais transparente possível.

Nos últimos dias eu me envolvi mais publicamente no tratamento desse tema. E foi sobre ele que me debrucei na conversa que transmiti ao vivo no último dia 18 de outubro.

Nessa gravação, você pode acompanhar minha linha de pensamento sobre esse tema tão delicado e que merece ser tratado com todo respeito: fórmulas, gatilhos, modos padronizados de fazer marketing baseados em tomada de decisão pelo medo, pela urgência, pela pressa, pela escassez.

O caminho para assistir: clique aqui para acessar. 

 

Paula Quintão

23 de outubro de 2016

 

assine_newsletterb

banner_novoeu

Author

Paula Quintão é escritora & mentora de escritores, transição de vida e negócios digitais. Criadora da Escola de Rumos, do Portal Coragem Para Empreender e da Editora Suban a Los Techos, autora do livro Para Sempre Um Novo EU. "De passo em passo eu desvendo um mundo dentro e fora de mim".

  • Vinicio Ricardo Meirinho

    Eu acabei de te conhecer por causa de sua entrevista com o Chico. Admirável a sua postura neste video. Estou entrando no marketing digital e ao mesmo tempo me encontro em um conflito interno entre a minha paixão e os meios para trabalhar com a mesma neste meio.

  • Fran Camilo

    Olá Paula! Quero agradecer por abrir minha mente e me fazer enxergar caminhos que não conhecia. Estou tentando viver exclusivamente do mkt digital e, até então, não entendia meu insucesso. Muitos pontos ficaram claros agora. Muito obrigada.

  • Silvio Mario Rodrigues

    Paula acabei de assistir o vídeo onde Você, com muita fineza, esclarece o marketing digital do ponto de vista dos gatilhos mentais. Acredito, como Você falou, que uma das coisas mais importantes é buscar o autoconhecimento para poder ter/saber usar do seu auto-observador para ter uma visão mais correta do que possam estar te entregando intencionalmente ou não. Nosso auto-observador precisa estar ligado 24 horas/dia. Adoro sua forma de entrega e sou grato por poder assistí-la mesmo que à distância. Te desejo um caminhar sempre iluminado.