O ÂNGULO de Visão e Criação

Fomos eu e minha prima ao MASP. Na entrada uma fila gigante. Quem comprava pela internet não tinha fila. Então a fila só era tão grande porque muitos dos que estavam nela não tinham essa informação. Quase para entrar uma senhora com um medidor de pressão me pergunta se eu queria medir e fazer uma doação de dez reais.

Mediu às pressas na minha não-fila. “Sua pressão está super baixa, 10 por 6. Você está se sentindo bem?”. Agradeci a boa notícia e avisei aos meus vasos sanguíneos e coração que tivemos esse belíssimo diagnóstico. “Senhora, dez reais bem pagos por essa medição, já avisei ao meu corpo que é pra todas as partes saberem que estamos com pressão baixa! Ótima notícia”. Ela não entendeu nada, nem precisava.

E então o museu nos aguardava. Tarsila Popular, muito bem. Não somos as mais finas para as artes eu e minha prima. Nos falta esse talento e essa cultura que faz perceber nas pinceladas de Tarsila as unicidades que fazem dela a Tarsila do Amaral. Tarsila com seu jeito faceiro, me dá autorização para as artes e as pinceladas – “pode pintar igual, Paula”, ela me diz pelas molduras e pelos esboços à lápis. Eu me sentindo a própria Tarsila revelação em 2020.

Acontece que o último quadro da exposição é o Abaporu, esse mesmo da minha foto, o mais famoso de todos que ilustrou meus livros de ensino médio. Ali Tarsila se fez pra mim, me rendi diante de sua grandeza. É bonita a história do quadro. E me traz as peças que me levam aos meus próximos passos. O quadro criou para assustar o marido, Oswald.

Na arte um homem de um “ponto de visão” incomum. Oswald logo percebeu a preciosidade. Tarsila tratou de batizá-lo. E eu tratei de colher minha pista. Um “ponto de visão é o que faz a obra prima se tornar um primor e ser uma das mais valiosas do mundo”. Hoje o Abaporu, li num site, vale uns 40 milhões de dólares. De Tarsila recebo a guiança de olhar meus caminhos e o que há na minha vida com “pontos de visão” diferentes do que estou acostumada.

Exercitando o olhar de um outro ângulo, tudo se transforma. A genialidade dança. “Pode pintar, Paula. Mas lembre-se que a riqueza está na escolha do seu ponto de visão”. Anotado. Vamos. #tarsilapopular #masp

Paula Quintão, 19 de maio de 2019